Quando o isolamento social não é patológico

O isolamento social não deve ser confundido com aquele período pelo qual muitos de nós passamos ao enfrentar problemas pontuais em nossas vidas e nos isolamos. É muito comum uma pessoa sentir a necessidade de estar sozinha e reservar um tempo para si mesma quando situações como o luto, a separação ou grandes mudanças como a demissão de um emprego ocorrem.

Foto por burak kostak em Pexels.com

Nesse momento cada um pode fazer uma reflexão sobre seu momento de vida e avaliar seu passado, presente e futuro. Essa situação se diferencia do isolamento social, em que o convívio social é limitado por um longo período, apesar de poder ser um sintoma inicial de um futuro isolamento.

Adolescentes também podem vivenciar uma forma de isolamento social por estarem passando por uma fase de transformação corporal, com diferentes hormônios agindo em seus cérebros, além de vivenciarem um momento em que deveres e obrigações passam a estar mais presentes em relação a quando eram crianças; sobretudo é um período de criação de suas identidades, quem serão e como se comportarão. A grande maioria dos adolescentes passa por um período natural de isolamento ao se entenderem como a pessoa que realmente são, e isso não deve ser entendido como algo patológico; apesar disso, adolescentes que enfrentam grandes períodos de isolamento devem ter um acompanhamento mais especializado para que esse momento não evolua para um verdadeiro isolamento social.

ATENÇÃO

Este texto foi escrito antes da pandemia do vírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19. O projeto Isolamento Social é favorável ao distanciamento social provocado por essa situação, leia mais em nossas postagens recentes!